EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Na luz indecisa que...

S. M.Pompi
Na luz indecisa que deixa adivinhar
a manhã, a névoa que impregna o ar
desfaz-se quando os dedos de fogo do sol
a limpam, restituindo ao dia
a sua transparência. Mas a mulher que
ocupa o centro da paisagem não
se apercebe da mudança. O seu corpo
pertence à terra, e entrega-se
ao ritmo subterrâneo das raízes, ouvindo
o canto que regula a passagem
das estações. Um desejo de sombra apodera-se
da sua alma; e conta o tempo que falta
para a noite, para se entregar ao silêncio
do mundo, no lento eclipse
dos sentimentos.

 (Nuno Júdice)


................................

>Nuno Júdice nasceu em 1949 (Algarve). Licenciado em Filologia Românica, na Faculdade de letras de Lisboa. É professor da Universidade Nova de Lisboa, onde se doutorou em 1989, com uma tese sobre Literatura Medieval. Passou alguns períodos no estrangeiro: em Berna, na Suiça, na década de 80, e em Paris, onde termina em 2003 uma estadia de seis anos como Conselheiro Cultural e Director do Instituto Camões.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Apenas Brisa -

  
Imagem de.S. M.Pompi
Apenas Brisa - Ana Viana


Sopra um vento entre mim e ti
nascido como todos
quando escavávamos dentro de nós
escavando a distância

foi já tempestade fechada em nevoeiro
hoje é apenas brisa
afrouxada na distância

recebo esse sopro suave como uma carícia
de quem ao largo me acena
enquanto parte

sempre entre nós um vento
ar com que te respiro
enquanto o longe nos escava
a distância

(Ana Viana, in Memórias do Desapego, Indícios de Oiro,

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A Noite...Apenas Rosas Amarelas

Imagem da Net
A Noite...Apenas Rosas Amarelas

A Noite...

Chega de mansinho,
Em cortinas de Organdi.
Observo o seu abrir,
Respiro a beleza
De corpo anil,
No seu rosto de Rosa.
Bebo o odor,
Autêntico perfume,
Nada de Vinil.
Amarelo-dourado,
Extasiante.
Sinto a leveza da Noite,
No carinho de petálas.
Visto-me de Arlequim,
E, Espreito a Lua,
Na transparência
Das minhas cortinas.
Silueta projectada,
Espectro solar,
Radiante.
Lindo de amar,
A Noite provar.
Sinto o Óasis
Amanhecer,
Razão do Meu Viver.
Sinto-me amada.
Que silêncio...
Pouco ou Nada,
Tenho nas janelas,
Apenas Rosas
Amarelas.

RÓ MAR

(A minha cor preferida
Obrigada. Freda)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

''PEDAÇOS DE MIM''

Imagem de:Artes & Poesias

''PEDAÇOS DE MIM''

Eu sou feito de

Sonhos interrompidos
detalhes despercebidos
amores mal resolvidos

Sou feito de
Choros sem ter razão
pessoas no coração
atos por impulsão

Sinto falta de
Lugares que não conheci
experiências que não vivi
momentos que já esqueci

Eu sou
Amor e carinho constante
distraída até o bastante
não paro por instante


Tive noites mal dormidas
perdi pessoas muito queridas
cumpri coisas não-prometidas

Muitas vezes eu
Desisti sem mesmo tentar
pensei em fugir,para não enfrentar
sorri para não chorar

Eu sinto pelas
Coisas que não mudei
amizades que não cultivei
aqueles que eu julguei
coisas que eu falei

Tenho saudade
De pessoas que fui conhecendo
lembranças que fui esquecendo
amigos que acabei perdendo
Mas continuo vivendo e aprendendo.

Martha Medeiros


 PS: SEM DÚVIDA, É UM PEDAÇO DE MIM!

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Uma Realidade!

Arte& Poesia

"A cada dia que vivo,
mais me convenço de que o
desperdício da vida esta no
amor que não damos
nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada
arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento, perdemos também a
felicidade."


Carlos Drummond de Andrade

sábado, 16 de junho de 2012

E o resto é silêncio..

Imagem de:Artes & Poesia


E o resto é silêncio...
E então ficamos os dois em silêncio, tão quietos
como dois pássaros na sombra, recolhidos
ao mesmo ninho,
como dois caminhos na noite, dois caminhos
que se juntam
num mesmo caminho...
.
Já não ouso... já não coras...
E o silêncio é tão nosso, e a quietude tamanha
que qualquer palavra bateria estranha
como um viajante, altas horas...
Nada há mais a dizer, depois que as próprias mãos
silenciaram seus carinhos...
Estamos um no outro
como se estivéssemos sózinhos...


 J. G. de Araújo Jorge

domingo, 10 de junho de 2012

QUERO UM CAVALO DE VÁRIAS CORES

Imagem de Negis Art

QUERO UM CAVALO DE VÁRIAS CORES


Quero um cavalo de várias cores,
Quero-o depressa que vou partir.
Esperam-me prados com tantas flores,
Que só cavalos de várias cores
Podem servir.

Quero uma sela feita de restos
Dalguma nuvem que ande no céu.
Quero-a evasiva - nimbos e cerros -
Sobre os valados, sobre os aterros,
Que o mundo é meu.

Quero que as rédeas façam prodígios:
Voa, cavalo, galopa mais,
Trepa às camadas do céu sem fundo,
Rumo àquele ponto, exterior ao mundo,
Para onde tendem as catedrais.

Deixem que eu parta, agora, já,
Antes que murchem todas as flores.
Tenho a loucura, sei o caminho,
Mas como posso partir sózinho
Sem um cavalo de várias cores?

Reinaldo Ferreira

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Da verdade do amor

Da verdade do amor 

 Da verdade do amor se meditam
relatos de viagens confissões
e sempre excede a vida
esse segredo que tanto desdém
guarda de ser dito

pouco importa em quantas derrotas

te lançou
as dores os naufrágios escondidos
com eles aprendeste a navegação
dos oceanos gelados

não se deve explicar demasiado cedo

atrás das coisas
o seu brilho cresce
sem rumor


José Tolentino Mendonça, in "Baldios"

La Cumparsita (Tango) ♪♫♪

segunda-feira, 4 de junho de 2012

ANTES DE COMEÇAR - Almada Negreiros

ANTES DE COMEÇAR - Almada Negreiros

(Depois de subir o pano, ouve-se um tambor que se vai afastando. Quando já mal se ouve o tambor, o Boneco levanta-se e vai espreitar ao fundo para fora. Entretanto a Boneca senta-se e está admirada de ver o Boneco a andar. Quando o Boneco volta para o lugar, fica admirado de ver a Boneca sentada a olhar para ele.)

O Boneco - Tu também te mexes como as pessoas?!
A Boneca - (Muito baixinho) Shiu!...
O Boneco - ó agora é que dei por isso!
A Boneca - (Idem) Shiu!...
O Boneco - Todas as noites puxo por ti e tu és sempre uma boneca!!!
A Boneca - (Idem) Shiu!
O Boneco - Eu julgava que de nós dois, era eu só que podia mexer-me!
A Boneca - (Sempre muito baixinho) Eu também julgava que de nós dois, era eu a única que podia mexer-me!
O Boneco - E nunca me sentiste a puxar por ti, todas as noites?!
A Boneca - (Idem) É que eu julgava que era o Homem que puxava por mim!
O Boneco - E tu? Puxaste por mim alguma vez?
A Boneca - (Idem) Nunca... nunca experimentei puxar por ti... Eu tinha pena, se ao puxar por ti tu não te mexesses. Por isso nunca experimentei!...
O Boneco - Pois eu, todas as noites, quando o tambor do Homem já vai muito longe, levanto-me e vou espreitar para fora...
A Boneca - Nunca te vi assim!... Às vezes, sentia puxarem por mim mas julgava que era o Homem..., e deixava-me estar boneca...
O Boneco - Se eu soubesse que tu eras como eu!
A Boneca - Se eu soubesse que também tu eras assim!
O Boneco - A culpa é tua! Eu bem puxei por ti, todas as noites!
A Boneca - Que pena! E eu que não adivinhava que eras tu! Olha, Boneco, perdoas? Tu não imaginas como eu sou tímida!...
O Boneco - É asneira!...
A Boneca - Schiu!... Não fales tão alto!
O Boneco - Não está ninguém lá fora! Eu nunca me levanto sem ter pensado primeiro se está alguém lá fora!... Só depois de ter pensado bem é que eu me levanto. E até hoje, ainda ninguém deu por nada... nem tu!
A Boneca - É verdade, nem eu...
O Boneco - Tu és uma tímida!
A Boneca - Pois sou...
O Boneco - E não há razão... pois se temos a certeza de que não está ninguém a ver! Faz algum mal?
A Boneca - Mas se vissem?
O Boneco - Não podem ver!
A Boneca - Tu tens a certeza de que não te podes enganar?
O Boneco - As pessoas é que se enganam! Nós os bonecos, nunca nos enganamos!!!...

Ilustração: títeres da Alemanha – coleção Irma Abirab


(Um beijinho de agradecimento á minha Amiga Sonie)

sábado, 2 de junho de 2012

Quando estou só reconheço...

Imagem da NET




Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.

E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.

Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por cousa esquecida.

            Fernando Pessoa

Glenn Miller - Sunrise Serenade

A TODOS UM BOM FIM DE SEMANA
SAUDAÇÕES AMIGAS-