EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

SONHAR!!!!!!

Você pode sonhar, criar, desenhar e 
construir o lugar mais maravilhoso do mundo... 
Mas é necessário ter pessoas 
para transformar seu sonho em realidade...
Walt Disney

sábado, 9 de dezembro de 2017

APRENDI....

Aprendi...
Que ouvir uma palavra de carinho...
faz bem a saúde!
Que um gesto de amor...
sempre aquece o coração!
Que o julgamento alheio...
não é importante!
Que se deve ser criança...
a vida toda!
Que é preciso...
cultivar a paz interior!
Que sonhar...
é preciso!
E que o mais importante de tudo...
é que somos livres para as nossas escolhas!
Não podemos viver apenas para nós mesmos!
Mil fibras nos conectam com outras pessoas
e por essas fibras nossas ações vão como causas...
E voltam para nos como efeito!
Aproveite ao máximo cada instante de sua vida,
Pois ele é único!
AD.

sábado, 2 de dezembro de 2017

o beijo

O Beijo de Alexandre O’Neill ( 1924-1986). Transcrevo-o com o imperscrutável olhar da gaivota que tudo desencadeou.
Gaivota 600px
O Beijo

Congresso de gaivotas neste céu
Como uma tampa azul cobrindo o Tejo.
Querela de aves, pios, escarcéu.
Ainda palpitante voa um beijo.

Donde teria vindo! (Não é meu…)
De algum quarto perdido no desejo?
De algum jovem amor que recebeu
Mandado de captura ou de despejo?

É uma ave estranha: colorida,
Vai batendo como a própria vida,
Um coração vermelho pelo ar.

E é a força sem fim de duas bocas,
De duas bocas que se juntam, loucas!
De inveja as gaivotas a gritar…

Publicado pela primeira vez em No Reino da Dinamarca (1958) e transcrito de Poesias Completas 1951/1986,

sábado, 25 de novembro de 2017

BRAÇOS EXAUSTOS...



Braços Exaustos 

Abro os braços suspensos
Como velas de moinhos
Nas cumeadas dos montes
E já não tenho medo
Que os ventos diabólicos
Me levem para longe

Terei outros braços
Enleando as fantasias dos dias
Para me levarem apenas para poente
Onde o lume me espera
Na espuma vermelha do horizonte

Pelo caminho colherei o sol
Porque a sua distância
Ao meu chão plano
Será apenas a dum gesto
E as suas promessas
De estrela brilhante
Ficarão presas entre os meus dedos
Para encerrar a luz solar
E todas as tempestades
Entre os extremos dos meus braços alados
Que se fecham pouco a pouco

Fernando Reis Luís
(Monchique)

Fotografia - Moinho de vento- São Brás de Alportel

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

A MÁQUINA DE COSTURA!!!!

A máquina de costura

Talhem-se as palavras justas
ao corpo do sofrimento
as imagens serão curtas
amplos os ombros do tempo
soltos os panos dos olhos
bordados os do talento
cosidos os dos ouvidos
ao forro do pensamento.
Tome-se o têxtil do tema
e corte-se o que é preciso
com a tesoura do riso.
Mas na orla do poema
depois da obra acabada
deixe-se ao menos um dedo
de tristeza embainhada.
Ary dos Santos


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

SENTIMENTO DO MUNDO!!




    Tenho apenas duas mãos
    e o sentimento do mundo,
    mas estou cheio escravos,
    minhas lembranças escorrem
    e o corpo transige
    na confluência do amor.
    Quando me levantar, o céu
    estará morto e saqueado,
    eu mesmo estarei morto,
    morto meu desejo, morto
    o pântano sem acordes.
    Os camaradas não disseram
    que havia uma guerra
    e era necessário
    trazer fogo e alimento.
    Sinto-me disperso,
    anterior a fronteiras,
    humildemente vos peço
    que me perdoeis.

    de Carlos Drummond de Andrade