SOU EU PRÓPRIA!!!

A minha foto

..Se as flechas perfuram o corpo,

as palavras podem trespassar a alma...

(Umberto Ec

EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

domingo, 27 de novembro de 2011

Retrato de uma princesa desconhecida..

Minha imagem, no "J.Botânico" do Porto.
        
        Retrato de uma princesa desconhecida

      Para que ela tivesse um pescoço tão fino
Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule
 Para que os seus olhos fossem tão frontais e limpos
      Para que a sua espinha fosse tão direita
         E ela usasse a cabeça tão erguida
    Com uma tão simples claridade sobre a testa
 Foram necessárias sucessivas gerações de escravos
     De corpo dobrado e grossas mãos pacientes
     Servindo sucessivas gerações de príncipes
         Ainda um pouco toscos e grosseiros
            Ávidos cruéis e fraudulentos

         Foi um imenso desperdiçar de gente
        Para que ela fosse aquela perfeição
           Solitária exilada sem destino


                             Sophia de Mello Breyner Andresen
 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

ANSEIO!

Anseio Oh, quem me dera embalado
Nesse berço vaporoso,
Nuvens do céu azulado...
Onde os meus olhos repouso
Já de tanto olhar cansado!

De tanto olhar à procura
De um bem que o fosse deveras;
De uma paz, de uma ventura
Dessas venturas sinceras,
Se as pode haver sem mistura.

Mas há, sem dúvida: creio
Neste desejo entranhável!
Há-de haver um rosto, um seio
De amor e gozo inefável
Donde mesmo este amor veio!

Este amor que a vós me prende,
Nuvens do céu azulado!
E a vós, lâmpadas que acende
Depois do Sol apagado
Quem... de Quem tudo depende!

João de Deus, in 'Campo de Flores'
(Imagem da NET)

A mais linda canção romântica do milênio-Demis Roussos

Demis Roussos - Un himno al amor.

Lindo!!!!


Camilo Castelo Branco " OS AMIGOS "

Camilo Castelo Branco " OS AMIGOS "
Amigos, cento e dez, ou talvez mais,
Eu já contei. Vaidades que eu sentia:
Supus que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais!
...
Amigos, cento e dez! Tão serviçais,
Tão zelosos das leis da cortesia
Que, já farto de os ver, me escapulia
Às suas curvaturas vertebrais.

Um dia adoeci profundamente. Ceguei.
Dos cento e dez houve um somente
Que não desfez os laços quasi rotos.

Que vamos nós (diziam) lá fazer?
Se ele está cego não nos pode ver.
- Que cento e nove impávidos marotos
OS AMIGOS ACTUAIS,SÓ QUEREM..."AMIGOS SAUDAVEIS" E SEMPRE BEM DISPOSTOS.
AFASTAM-SE PARA NÃO  OUVIR UM DESABAFO!
FICAM OS NOSSOS AMIGOS DA ESCOLA QUE NOS ACOMPANHARAM SEMPRE,MESMO ESTANDO AFASTADOS, NOS QUATRO CANTOS DO MUNDO...
PARA ELES VAI A MINHA SAUDADE NUM DOCE BEIJINHO.
Imagem da NET

quarta-feira, 23 de novembro de 2011


Medio Pan y un Libro.


Discurso de Federico García Lorca
al inaugurar la biblioteca de su pueblo.

Medio Pan y un Libro.

Locución de Federico García Lorca
al Pueblo de Fuente de Vaqueros (Granada). Septiembre 1931.

"Cuando alguien va al teatro, a un concierto o a una fiesta de cualquier índole que sea, si la fiesta es de su agrado, recuerda inmediatamente y lamenta que las personas que él quiere no se encuentren allí. ‘Lo que le gustaría esto a mi hermana, a mi padre’, piensa, y no goza ya del espectáculo sino a través de una leve melancolía. Ésta es la melancolía que yo siento, no por la gente de mi casa, que sería pequeño y ruin, sino por todas las criaturas que por falta de medios y por desgracia suya no gozan del supremo bien de la belleza que es vida y es bondad y es serenidad y es pasión.

Por eso no tengo nunca un libro, porque regalo cuantos compro, que son infinitos, y por eso estoy aquí honrado y contento de inaugurar esta biblioteca del pueblo, la primera seguramente en toda la provincia de Granada.

No sólo de pan vive el hombre. Yo, si tuviera hambre y estuviera desvalido en la calle no pediría un pan; sino que pediría medio pan y un libro. Y yo ataco desde aquí violentamente a los que solamente hablan de reivindicaciones económicas sin nombrar jamás las reivindicaciones culturales que es lo que los pueblos piden a gritos. Bien está que todos los hombres coman, pero que todos los hombres sepan. Que gocen todos los frutos del espíritu humano porque lo contrario es convertirlos en máquinas al servicio de Estado, es convertirlos en esclavos de una terrible organización social.

Yo tengo mucha más lástima de un hombre que quiere saber y no puede, que de un hambriento. Porque un hambriento puede calmar su hambre fácilmente con un pedazo de pan o con unas frutas, pero un hombre que tiene ansia de saber y no tiene medios, sufre una terrible agonía porque son libros, libros, muchos libros los que necesita y ¿dónde están esos libros?

¡Libros! ¡Libros! Hace aquí una palabra mágica que equivale a decir: ‘amor, amor’, y que debían los pueblos pedir como piden pan o como anhelan la lluvia para sus sementeras. Cuando el insigne escritor ruso Fedor Dostoyevsky, padre de la revolución rusa mucho más que Lenin, estaba prisionero en la Siberia, alejado del mundo, entre cuatro paredes y cercado por desoladas llanuras de nieve infinita; y pedía socorro en carta a su lejana familia, sólo decía: ‘¡Enviadme libros, libros, muchos libros para que mi alma no muera!’. Tenía frío y no pedía fuego, tenía terrible sed y no pedía agua: pedía libros, es decir, horizontes, es decir, escaleras para subir la cumbre del espíritu y del corazón. Porque la agonía física, biológica, natural, de un cuerpo por hambre, sed o frío, dura poco, muy poco, pero la agonía del alma insatisfecha dura toda la vida.

Ya ha dicho el gran Menéndez Pidal, uno de los sabios más verdaderos de Europa, que el lema de la República debe ser: ‘Cultura’. Cultura porque sólo a través de ella se pueden resolver los problemas en que hoy se debate el pueblo lleno de fe, pero falto de luz.
"PS.Foi-me enviado via e-mail por uma amiga;A Mª Fernanda
Achei que devia partilhar com quem visita o meu espaço."

Como será medido o valor de seus dias?

Partilhado de Mª fernanda do F.B.
Eu sublinho,claro!!!


segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Como dizer o silêncio?


         

Como dizer o silêncio?

Se em folhagem de poema
me catais anacolutos
é vossa a fraude. A gema
não desce a sons prostitutos.

O saltério, diletante,
fere a Musa com um jasmim?
Só daí para diante
da busca estará o fim.

Aberta a porta selada,
sou pensada já não penso.
Se a Musa fica calada
como dizer o silêncio?

Atirar pérola a porco?
Não me queimo na parábola.
Em mãos que brincam com o fogo
é que eu não ponho a espada.

Dos confins, o peristilo
calo com pontas de fogo,
e desse casto sigilo
versos são só desafogo.

E também para que me lembrem
deixo-os no mercado negro,
que neles glórias se vendem
e eu não sou só desapego.

Raiz de Deus entre os dentes,
aí, pára a transmissão.
Ultra-sons dessas nascentes
só aves entenderão.



Natália Correia
Poesia Completa
Publicações Dom Quixote
1999
Minha Imagem

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

UM BOM FIM DE SEMANA.


Fantasia 1940. Beethoven's "Pastoral Symphony" , his sixth. He was a great nature lover and in this symphony he paints a musical picture of a day in the country.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

O fio de um cabelo

Minha foto.




  
O fio de um cabelo
 
Abandono a casa o horto o lugar à mesa
o casaco de que gostava, sobre o leito dobrado
esta verdade quase banal
que toda a vida fui

Não abro a porta quando batem
(às vezes batiam só por engano)
não avalio o balanço das certezas
o que separa uma forma da outra
sempre me escapou

Ontem começava a clarear
o ar frio que vinha dos campos
julguei-o de passagem e afinal
era um segredo que meu corpo
de uma vez por todas contava 
ao meu corpo

Mas quando tombei sobre a terra
perdido como o fio de um cabelo
(aqueles que primeiro caem
da cabeça de um rapaz
e por não serem notados
são mais perdidos ainda)
estavas junto de mim

Lançaste ao fogo cidades
afogaste os exércitos
no vermelho mar da sua ira
hipotecaste terras tão preciosas
para estares junto de mim


José Tolentino Mendonça
De Igual Para Igual

Perdi meus fantásticos castelos...

 
Minha foto

Perdi os Meus Fantásticos Castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"
Nada nos deixa mais feliz do que isso mesmo:
leiam:

UM BELISSIMO DIA!!!

Marcou a minha infância lá, num país Tropical!

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Por Todos os Caminhos do Mundo...

Imagem minha
Por Todos os Caminhos do Mundo 
A minha poesia é assim como uma vida que vagueia
                                                    pelo mundo,

por todos os caminhos do mundo,
desencontrados como os ponteiros de um relógio velho,
que ora tem um mar de espuma, calmo, como o luar
                                                    num jardim nocturno,

ora um deserto que o simum veio modificar,
ora a miragem de se estar perto do oásis,
ora os pés cansados, sem forças para além.

Que ninguém me peça esse andar certo de quem sabe
                                                    o rumo e a hora de o atingir,
a tranquilidade de quem tem na mão o profetizado
de que a tempestade não lhe abalará o palácio,
a doçura de quem nada tem a regatear,
o clamor dos que nasceram com o sangue a crepitar.

Na minha vida nem sempre a bússola se atrai ao mesmo
norte.
Que ninguém me peça nada. Nada.
Deixai-me com o meu dia que nem sempre é dia,
com a minha noite que nem sempre é noite
como a alma quer.

Não sei caminhos de cor.

Fernando Namora, in 'Mar de Sargaços'

Porto Sentido

Uma lágrima no canto do olho!!!

Uma boa semana!!!


ONE MORE NIGHT!


QUANDO?


Carta ao Primeiro-Ministro com conhecimento ao Presidente da Republica

" PARTILHADO EM PÚBLICO DO FACEBOOK"

Carta ao Primeiro-Ministro com conhecimento ao Presidente da Republica

por Joana Cabrita Martins a quinta-feira, 3 de Novembro de 2011 às 13:19
Exmo. Sr. Primeiro-ministro,
Pedro Passos Coelho

Sou Joana Cabrita Martins, cidadã Portuguesa, portadora do cartão do cidadão XXXXXXXX.

Vou fazer uma breve apresentação da minha pessoa para depois expor o meu ponto de vista.

Nasci em Faro, fez 27 anos em Agosto passado. Aos 18 anos vim viver para Lisboa porque concorri ao curso de Arquitectura do ISCTE, o qual frequentei os dois primeiros anos, findo os quais resolvi mudar para o curso de Design de Equipamento da Universidade de Lisboa.
Terminei a minha licenciatura em Design, no período estipulado para a mesma (4 anos), no ano de 2008, na Liberá Universitá de Bolzano, capital da região autónoma do Alto-Adige, norte de Itália, ao abrigo do programa Erasmus.
Durante os meus estudos académicos trabalhei como voluntária no Hospital Rainha D. Estefânia e numa das Casas Refúgios para vítimas de Violência da APAV (Associação Portuguesa de Apoio à Vìtima).
Fiz parte dos grupos de teatro académico de ambas as Instituições que frequentei (ISCTE e FBAUL), nos quais integrei várias peças, tendo actuado nomeadamente no FATAL (Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa).
Após terminar a minha licenciatura, fui de porta em porta à procura de emprego na área do Design mas o primeiro que consegui foi num Call Center da TMN, no serviço de Apoio ao Cliente. Só passados 6 meses é que consegui um trabalho durante 3 meses como freelancer de Design e Vitrinismo numa cadeia de Lojas Portuguesa.
Um ano passado, de ter terminado o meu curso, com o meu curriculum e portfolio espalhado pelo país e sem emprego resolvi concorrer ao ensino (bolsa de contratação de escola) e fui colocada como professora de Geometria Descritiva numa escola secundária, profissão que exerci durante os últimos dois anos lectivos, sendo que no presente ano 2011/2012 não consegui horário.
Formei há um ano uma associação cultural em Faro, LAMA (Laboratório de Artes e Media do Algarve) que sem qualquer apoio económico para além da anuidade dos sócios (95 no momento), que realizou já uma panóplia bastante significativa de eventos (workshops, peças de teatro em co-produção com os Artistas Unidos e Teatro dos Aloés, performances, mostras de curtas metragens, exposições).
Em Fevereiro do presente ano inaugurei na Galeria do IPJ de Faro, com a presença do Exmo. Presidente da Câmara, Vice-presidente, Vereadora da Cultura, Reitor, professores do curso de artes da Universidade do Algarve, Director do Teatro Municipal, entre outros ilustres da cidade, a primeira exposição totalmente da minha autoria, com peças de Eco-Design, intitulada de “Lightness, Make Your (Coffee) Breack - Bebe um café e ilumina-te”.
No presente momento, e desde 29 de Setembro passado até à data de 27 de Novembro, tenho patente no espaço da Fabrica do Braço de Prata em Lisboa a extensão da primeira exposição, no âmbito da Bienal Portuguesa de Design, Experimenta Design 2011- Useless.

Agora que já me dei a conhecer minimamente venho por este meio (porque outro, creio, não me será concedido) expor a minha opinião sobre vários assuntos que me dizem respeito a mim, tanto como a si…e que como cidadã tenho não só o direito como sobretudo o dever (como o Sr. tanto faz questão de lembrar aos cidadãos), de participar activa e construtivamente na estruturação deste país que…

…confesso, tenho já algumas dúvidas quando tento distingui-lo de outros enquanto país particular, com história, costumes e cultura especificas…
…mas se puxar pela memória a longo prazo consigo…coisa que, infelizmente pelo rumo que tentam impormos (não falo de forças superiores, ou sobrenaturais), creio que as gerações mais jovens não consigam já diferenciar.

Vou começar pela sessão plenária na Assembleia da Republica, de sexta-feira passada, dia 28 do mês que acaba de terminar, Outubro, a que fui assistir.

E da qual sai, por volta das 13.30, quando esta foi dada por terminada (sendo no final da referida, a única cidadã que se encontrava, ainda, a assistir á mesma nas galerias), com “uma força a crescer-me nos dedos e uma raiva a nascer-me nos dentes  como diria, por outra altura, Sérgio Godinho.

Que desgoverno…é aquele o espaço de TRABALHO onde ser GOVERNA/GERE o rumo deste país ???

Efectivamente a Assembleia é um espelho que REFLETE na PERFEIÇÃO o estado do país … então eu vou dar-lhe a imagem com que fiquei daquela assembleia:

Sendo que as sessões plenárias começam às 10h da manha (sugiro que se informe da hora a que a maioria do cidadão portugueses inicia a sua actividade laboral diária e faça a comparação), dá-se inicio ao debate dos assuntos em agenda…sem a presença de muitos dos deputados eleitos e pagos, para e pelos cidadão, para que os representem.

…pergunto-me, e PERGUNTO-LHE qual é a tolerância de ponto que o Sr. impõem aos seus trabalhadores directos ? Refiro-me aos deputados da assembleia, e não aos seus motoristas particulares…espera-se que os professores imponham aos seus alunos uma tolerância que vai de 0 a 10 minutos conforme os graus de ensino, após os quais a falta é certa e injustificada e o acumular das quais tem CONSEQUENCIAS: institucionalmente o aluno “chumba”…quantos deputados já “chumbaram” por faltas? No caso de um “comum” trabalhador, e não de um aluno, as faltas ou simples atrasos dão direito a despedimento por justa causa…quantos deputados já foram despedidos da assembleia?

Não deveriam os SENHORES/AS dar o exemplo, pergunto-me…e a resposta surge-me de imediato…e dão, claro…
Ao meio dia, hora da votação regimentar das propostas em agenda, o plano não havia sido cumprido na sua totalidade, vários haviam sido os temas não abordados…afinal o incumprimento das actividades planeadas, geradas por uma lacuna de produtividade e que por sua vez geram uma lacuna na produtividade (ciclo vicioso ou viciado), também acontecem na Assembleia da Republica…mas Sr. Primeiro Ministro sabe o que aconteceria a um funcionário/equipe de trabalhadores que nessa mesma sexta-feira pela hora estipulada não apresentasse o plano de actividades pré-estabelecido cumprido na sua TOTALIDADE ??? Sabe, não sabe…mas caso tenha duvidas eu sugiro que se vá esclarecer com o seu Ministro da Economia e do Emprego.

Mas a questão principal é: Sabe o que acontece na ASSEMBLEIA??? Eu sei….porque enquanto o Sr. estava do outro lado do Atlântico eu estava a observar a sua, que deveria ser NOSSA ASSEMBLEIA, (sim observar, porque mais não me é permitido, nem falar, nem gesticular, nem estar de pé nas galerias do parlamento).

Então como descrevia… ao meio dia e quinze foi iniciada a votação das propostas até então discutidas. Finda a votação, tive a nítida sensação de ter sido teletransportada para a sala de compra e venda de acções de Wall Street…uma barulheira ensurdecedora, entre conversas trocadas, telefones a tocar…só depois percebi que não, efectivamente continuava exactamente no mesmo sitio com pessoas de um lado para o outro, cumprimentos, apertos de mão, beijos, risos, gargalhadas…com algum esforço consegui concentrar-me e qual não foi o meu espanto…a sessão plenária continuava com a discussão das propostas agendadas para aquela manhã e que ainda não tinham sido estudadas no meio daquele cenário de café convívio pós fecho em alta da bolsa de valores.

E então observei os deputados a pedirem a palavra, e a dela usufruírem, para debaterem CONSIGO PROPRIOS, cada assunto…a imagem “debater consigo próprio” é um desenho perfeito dos deputados a exprimir as suas ideias em voz alta, BEM ALTA até, numa tentativa, infrutífera, de serem ouvidos pelos seus colegas, que por sua vez…ou não estavam na sala (tinham ido de fim-de-semana), ou estavam ao telefone (a falar ou a enviar mensagens) ou a navegar na internet (sim, nomeadamente no facebook), ou na conversa com o colega do lado, ou com o da frente, ou de traz tanto faz…ou a passear-se pela sala.

Por essa altura, e acalmados os ânimos, a sala da assembleia estava composta por ¼ dos seus representantes, os restantes ¾ já tinham abandonado o seu posto de trabalho para ir almoçar e seguidamente gozar o seu fim-de-semana…faltava ainda mais de um quarto de hora para 13 horas…

Será possível ??? Atender telefonemas, escrever mensagens, navegar em sites da internet, conversar, andar em pé de ou lado para o outro no local de trabalho, LOCAL DE TRABALHO COMUM, e não prestar a MINIMA atenção aos trabalhos que decorrem…não são estes motivos MAIS QUE SUFICIENTES para despedir por justa causa um QUALQUER trabalhador, creio que uma só das acções que enumerei bastariam…

Pelas 13 horas e 30 minutos foi dada por encerrada a sessão, todos os restantes deputados puderam ir de fim-de-semana após uma árdua jornada de trabalho, iniciada por volta das 10 horas dessa manhã…

Uauuu…!

Estava sozinha naquelas galerias, quando o Exmo. Vice-Presidente da Mesa deu os votos de Bom Fim-de-semana aos, ainda presentes, deputados…mas no inicio da sessão, encontravam-se nas galerias vários outros cidadão, nomeadamente alunos de diversas idades, cuja formação pessoal e cívica se encontram em desenvolvimento…e mais uma vez me pergunto, que valores, que objectivos, que conclusão tiraram estes jovens em formatura do que presenciaram nesta sessão plenária.

Não será esse o modelo que eles deveram seguir…???
…presentemente nas salas de aula e futuramente no seu emprego???

 Porquê tanto espanto, admiração e principalmente INDIGNAÇÃO quando se diz e se ouve dizer que:

“Os alunos não sabem comportar-se com respeito e ordem dentro de uma sala de aula…que não cumprem regras, falam uns por cima dos outros e por cima dos professores, utilizam o telemóvel… (porque razão se acha que uma sala de aula é diferente da sala da assembleia, será que não há regras de conduta no parlamento…haver há, que me foram expressamente dadas a conhecer antes de entrar, mas se calhar são só mesmo para os cidadão que vão assistir nas galerias, mudos e imóveis), hoje em dia, os estudantes, não demonstram o mínimo interesse nos conteúdos abordados no contexto de sala de aula…parece que me estou a repetir, parece-me que já tinha escrito algo muito semelhante, mas os intervenientes e o espaço não eram os mesmos…”
ou
…o povo português não é produtivo, no seu horário de expediente, vê-se de tudo menos trabalho efectivo… há uma comadre em cada um de nós (enquanto trabalhamos), comadres que aderiram ao “plano tecnológico” e também já usam o telefone, o telemóvel e a internet para promover a sua actividade preferida e na qual são efectivamente boas no que fazem, conversar…”

Neste momento nenhuma das descrições acima me parece absurda depois do que presenciei naquela manhã de plenário.

Peço desculpa pela arrogância, mas COM TODA A LEGITIMIDADE QUE TENHO como cidadã, tenho que lhe dizer que é um verdadeiro atrevimento da sua parte a forma como se nos dirige a PEDIR, em modo de EXIGÊNCIA, que trabalhemos com mais rigor, focados em objectivos de produtividade.

Que permita aos seus ministros fazerem propostas de aumentar em meia hora o horário da jornada laboral, que é em média de 8 horas para a esmagadora maioria dos trabalhadores, enquanto se permite aos deputados jornadas como a que acabei de descrever…

Que se nos aumentem os impostos e cortem nos ordenados e subsídios, justificando que o país tem um sério “buraco” económico-financeiro, que aumenta a cada semana, para não dizer dia, com um novo dado até então desconhecido pelos Senhores? Sim porque, a nós cidadãos, eu até posso admitir que nos seja desconhecido, agora aos senhores…? O que andaram a fazer nas anteriores legislaturas? Não estiveram a TRABALHAR, não intervieram …oh, peço desculpa pelo lapso, CLARO QUE NÃO, trabalharam tanto como os actuais deputados que presenciei nesta sessão da  assembleia…

… talvez na próxima legislatura, se lhes perguntar onde foi a Senhora Deputada XXXXXXX passar o fim-de-semana de 29 e 30 de Outubro, antes de terminado o debate parlamentar, a bancada parlamentar do CDS, do PS, do PCP ou do BLOCO saibam sem precisar de fazer uma grande investigação…No entanto, os Senhores (PSD/CDS) nada sabem sobre o “buraco” da Madeira… e pior, nem querem saber…. porque quando se propõe que se crie uma equipe de investigação, ou peça um relatório claro e objectivo com a auditoria às contas da região autónoma da Madeira (que de autónoma em questões económico-financeiras só tem o apelido, já em questões legislativas usa da autonomia em toda a sua plenitude) A SUA BANCADA PARLAMENTAR EM PLENO (como a autonomia legislativa da Madeira) VOTA CONTRA

…Como se atreve a pedir-nos esforços sobre humanos (sobre-humanos sim, basta ler a carta universal dos Direitos Humanos sobre igualdade) e não nos dá as provas objectivas do que diz serem os motivos para tais SACRIFICIOS, como tanto o ouço dizer. Não investiga, não deixa investigar, não averigua os culpados, não lhes aplica “SACRIFICIOS”…ou será que…somos nós os culpados?…sim porque os únicos que vejo sofrerem as consequências dos desfalques económicos são…

Quanto à Petição para o “NÃO Pagamento de Portagens na Via do Infante”, institucionalmente, A22, entregue pela comissão de utentes da mesma, debatida pelo ¼ dos deputados que se mantiveram no seu local e horário de trabalho na manhã descrita, após a votação regimentar…petição que só será votada na próxima sexta-feira, 4 de Novembro, e que certamente será chumbada pela sua bancada parlamentar em acoplação com a do CDS…pois veemente se insurgiram contra a referida proposta, embora, reconheçam que, a região abrangida por esta medida,

… o Algarve, ficará estrangulado pela aplicação das portagens, pois não existem redes de transportes alternativos (rodo ou ferroviários)…eu, particularmente, posso afirma-lo com conhecimento de causa, porque há dois anos, quando me vi obrigada a regressar ás origens para trabalhar, dar aulas, fui obrigada a comprar um carro para poder trabalhar, porque a situação no Algarve é esta: quem não vive no centro de uma cidade (reside as 10 ou mais km da mesma), ou vive numa cidade e trabalha noutra, não tem grande alternativa a não ser adquirir um automóvel, porque a rede de transportes é demasiado deficitária…no entanto muitas têm sido as petições, e sugestões dos cidadãos e movimentos de cidadãos no sentido de inverter a situação…mas até ao momento só se ouvia falar de TGV´s e novos Aeroportos da lezíria para cima…

..sob tutela moura ou Portuguesa, os algarvios parecem estar estagnados no tempo relativamente aos transportes públicos…

Desta forma foi com um sorriso de satisfação, e alguma ingenuidade de criança, que me vi agradada com a sugestão de uma pequena, para não dizer, pequeníssima , percentagem da vossa maioria parlamentar de deputados que disseram ser uma prioridade a implementação e reestruturação da Rede de Transportes Públicos no Algarve.

…eis senão quando, nessa mesma noite, me encontro frente a frente com uma notícia de última hora que diz que “governo está a estudar o fecho da rede metropolitana de Lisboa à 23h, e em alguns casos particulares, algumas estações prevê-se que encerem portas às 21 horas”…

Realmente…que ingénua em acreditar que os Senhores estão a pensar em melhorar, aumentar, ou fomentar as redes de TRASNPORTES PÚBLICOS…

Dois dias passados, nova noticia, agora sobre o fim da Rede da Madrugada, serviço nocturno de autocarros Caris em Lisboa…

Será que…para construir a tão reclamada e esperada rede de Transportes Públicos na Região do Algarve têm que se “SACRIFICAR” a rede de transportes de Lisboa?

Espero que os Lisboetas não partilhem deste raciocínio, porque caso isso se verifique, poderemos estar em risco de uma iminente “guerra civil”…


Eu prefiro interpretar esta medida por este prisma:

O preço dos combustíveis escalam de dia para dia, taxa-se as estradas, acaba-se com as (poucas e boas) redes de transportes públicos que existem de forma que os cidadãos não possam mais do que sair de casa (os poucos que, ainda, as têm) para o trabalho (os poucos que, ainda, o têm) e vice-versa; aumenta-se a jornada laboral para que estes não tenham muita margem de manobra…para aqueles que já mencionei que não têm casa nem trabalho, mantêm-se-lhe o vinho á TAXA de IVA de 6% para que se mantenham em estado de “coma” (social), ou nos casos menos sérios cujas carências possam ainda ser “iludidas” com um “docinho”; dá-se-lhe um leitinho com chocolate, também ele com a módica TAXA de IVA de 6%... TUDO a 6%, menos ÁGUA, não é meus Senhores…porque já dizia alguém que “Água mole em pedra dura, tanto dá até que fura” e o que o Sr. e os seus pretendem com estas medidas é anular qualquer tipo de contestação social por forma a levar as vossas, ou as DELES, ou será a DELA, avante…assim seja! ÁGUA engarrafada à TAXA de IVA de 23%, sim porque a canalizada já leva a TAXA de quota de Serviço (principio do “utilizador pagador” tão bem defendido e DIFUNDIDO pelo seu Ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, o Exmo. Miguel Relvas), mais as CONTAS DE TERCEIROS, acho piada a denominação visto que são SEMPRE OS PRIMEIROS a pagar, ora vejamos, adicional C.M….., Saneamento Variável, Saneamento Fixo e TAXA de Recursos Hídricos.

Termino a minha dissertação, que bem poderia ser de Mestrado…ups…mais um dos temas debatidos nessa sessão plenária…mas para a qual já não tenho capacidade para expor o meu ponto de vista, porque… Sr. Primeiro Ministro…tenho OS DEDOS INCHADOS e corro o serio risco de acordar os meus vizinhos com o RANGER DOS MEUS DENTES… com “uma força a crescer-me nos dedos  e uma raiva a nascer-me nos dentes ”.

Por ultimo pergunto-lhe…acha que não tenho o DEVER de INDIGNAR-ME com tudo o que acabo de descrever ???

Aguardo resposta por parte de sua Excelência, com alguma brevidade, para a morada indicada no envelope como “remetente”, pois estou a tratar de seguir os BONS CONSELHOS do seu Secretário de Estado do Desporto, Exmo. Alexandre Mestre…o que significa que, no próximo ano, que se prevê ainda MAIS AUSTERO, porque ainda não revelaram o “buraquinho” dos Açores (e já devem estar a pensar quanta falta vos fazia que Macau, Timor, Angola e por aí fora até a Índia ainda nos pertencessem, para terem sempre mais “buracos” para sustentar os “sacrifícios” eternos que nos querem assacar …) pois bem, para o ano, eu espero estar bem longe.

Assim me despeço com a ESPERANÇA… que sempre me disseram ser a última a morrer…

Cordialmente,
Joana Cabrita Martins

domingo, 13 de novembro de 2011

Por quê? Drummond e os porquês do seu amor maior.

Coimbra,.Imagem mimha
Por quê? 
Drummond e os porquês do seu amor maior.

Porque

Amor meu, minhas penas, meu delírio,
... aonde quer que vás, irá contigo
meu corpo, mais que um corpo, irá uma alma,
sabendo embora ser perdido intento

o de cingir-se forte de tal modo
que, desde então se misturando as partes,
resultaria o mais perfeito andrógino
nunca citado em lendas e cimélios.

Amor meu, punhal meu, fera miragem
consubstanciada em vulto feminino,
por que não me libertas de teu jugo,
por que não me convertes em rochedo,

por que não me eliminas do sistema
dos humanos prostrados, miseráveis,
por que preferes doer-me como chaga
e fazer dessa chaga meu prazer?

Carlos Drummond de Andrade
(1902-1987)

sábado, 12 de novembro de 2011

BOM FIM DE SEMANA


O RIO CORRE PARA O MAR
E CONTORNA AS SUAS ARESTAS
EU CORRO PARA TODOS VÓS
COM  VONTADE DE VOS ABRAÇAR!!

UM ABRAÇO É O "ELO" DA HUMANIDADE!.
.A SEMPRE VOSSA AMIGA;
ATÉ SEMPRE!! 
UM ABRAÇO


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Humberto Sotto Mayor - Malhão

PLEASE DON,T GO!

VAMOS MERGULHAR,PARA TENTAR ESQUECER!!!


Quando eu nasci!!





                                                      Quando eu nasci,                                  
José Régio

Quando eu nasci,

ficou tudo como estava,
Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais...
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,

não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,

não enlouqueceu ninguém...

Pra que o dia fosse enorme,

bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe.
                                         

Antonio Prieto - La novia (1961)...

E PORQUE HOJE É UM DIA DIFERENTE,
COM UMA DATA DIFERENTE
E NUMA SITUAÇÃO DIFERENTE,
FICOU UMA SAUDADE DE UM DIA DIFERENTE
UMA QUIMERA OU UMA ILUSÃO?...
TUDO FOI TÃO DIFERENTE!!!,,,09/11/11,,,
 Antonio Prieto - La novia (1961)

Blanca y radiante va la novia,
Le sigue atrás un novio amante,
Y que al unir sus corazones,
Hará morir desilusiones.

Ante el altar está llorando,
Todos dirán que es de alegría,
Dentro su alma está gritando,
Ave María!

Mentirá también al decir que sí,
Y al besar la cruz pedirá perdón,
Y yo se que olvidar nunca podría,
Que era yo aquel a quien quería.

Blanca y radiante valanovia,
Le sigue atrás un novio amante,
Y que al unir sus corazones,
Hará morir desilusiones.

Ante el altar está llorando,
Todos dirán que es de alegría,
Dentro su alma está gritando,
Ave María!
Ave María!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

SIMPLESMENTE...UMA LEMBRANÇA!

Orgulhosamente,hoje,desejei,dizer-vos um pouco de mim:
Exactamente,eu existo porque este maravilhoso ser o permitiu.
A imagem fala por si:.
Eu somente sou a sua neta e não seria justo,tendo um espaço meu e visto por todos,que não fizesse,há minha maneira,uma homenagem ao meu AVÔ.
DOS NOVE NETOS QUE TANTO AMOU,ÚNICAMENTE,EU FAÇO A DIFERENÇA,PORQUE COM MEUS AVÓS PATERNOS,VIVI .OS MELHORES ANOS DA MINHA JUVENTUDE,NA VILA DE SEIA ENQUANTO LÁ ESTUDEI.
Obrigada avõ por seus bons conselhos,seus infalíveis provérbios...e.o seu sempre constante carinho.
Do livro: Monografia da vila e concelho de SEIA.J:Quelhas Bigotte

A CAMINHO DA ESTRÊLA.....

CONTINUANDO A SUBIDA,ENCONTRA;O PONTO MAIS ALTO DE PORTUGAL...A TORRE...(F.DE:S.CORREIA)
FOTO DE E.CORREIA


QUEM SAI DE SEIA  E SOBE A CAMINHO DA SERRA DA ESTRÊLA, ENCONTRA DO LADO ESQUERDO,ESTE DESLUMBRANTE CENÁRIO,COM OU SEM NEVE É SEMPRE LINDO!A SRª DO ESPINHEIRO.
 
 




segunda-feira, 7 de novembro de 2011

História Essencial Portugal Vol. 2 (1/7)

História Essencial Portugal Vol.1 (1/6)

Poema da rosa...

UMA BOA SEMANA

Poema da rosa

Há uma rosa linda
No meio do meu jardim
Dessa rosa cuida eu
... Quem cuidará de mim?
De manhã desabrochou
À tarde foi escolhida
Pra de noite ser levada
De presente a minha amiga

Feliz de quem possui
Uma rosa em seu jardim
A minha amiga com certeza
Pensa agora só em mim
Quando sopra o vento frio
E o inverno gela o jardim
Eu tenho calor em casa
E fico quietinho assim

Feliz de quem tem o seu teto
Pra ajudar a sua amiga
A fugir do vento ruim
Que deixa gelado o jardim

(Jards Macalé e Bertold Brecht - sobre a tradução de Augusto Boal)

sábado, 5 de novembro de 2011

SEM COMENTÁRIOS!!!


Balada de Sempre

Pintura de, Luisa Caetano
Balada de Sempre  
Espero a tua vinda
a tua vinda,
em dia de lua cheia.

Debruço-me sobre a noite
a ver a lua a crescer, a crescer...

Espero o momento da chegada
com os cansaços e os ardores de todas as chegadas...

Rasgarás nuvens de ruas densas,
Alagarás vielas de bêbados transformadores.
Saltarás ribeiros, mares, relevos...
- A tua alma não morre
aos medos e às sombras!-

Mas...,
Enquanto deixo a janela aberta
para entrares,
o mar,
aí além,
sempre duvidoso,
desenha interrogações na areia molhada...

Fernando Namora, in 'Relevos'

UM BELISSIMO FIM DE SEMANA!


Imagem e flor minha!





sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Assim vai a cultura nas escolas.

Foto de Fernando Viriato Maniés

Assim vai a cultura nas escolas. É uma pena!!!! E uma vergonha...

Composição, ...Aluno 9º ano das Caldas da Rainha O pipol adorou !!!! tá demais..

Composição "O Pipol e a Escola"
Se não entenderem à 1ª, tentem uma 2ª vez que está demais!!!!!!!!
Lindo futuro escolar...Geração
Phonix+Zonix+vodafnix+Uzix+Tmnix+optimix e outras tantas terminadas em
ix...

(Texto verídico retirado de uma prova livre de Língua Portuguesa,
realizada por um aluno do 9º ano, na Escola Secundária de Caldas da
Rainha, para ler, estarrecer e reflectir...!!!)

REDAXÃO

'O PIPOL E A ESCOLA'

Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb tem
Direitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é perciso ver
q á razões qd um aluno não vai á escola. Primeiros a peçoa n se sente
motivada pq axa q a escola e a iducação estam uma beca sobre alurizadas.

Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é munto
Montanhoso? Ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? Ou cuantas estrofes tem
um cuadrado? Ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã?

E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'os
Lesiades''s, q é u m livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas
q no aspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah.

Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos
profes até dam gomitos e a Malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os
jovens n tem abitos de leitura e q a Malta n sabemos ler nem escrever e a
sorte do gimbras foi q ele h-xoce bué da rapido e só o 'garra de lin-chao' é
q conceguiu assertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é
livro desde o Camóes até á idade média e por aí fora, qués ver???

O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curço
de otelaria e a Malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças de
xicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar
um gravetame do camandro. Ah poizé. Tarei a inzajerar?

PS:
Cedido por um amigo meu...

Mal nos conhecemos!!

Um óptimo dia mesmo a chover!
Pintura d.amiga;Isabel Rodrigues
Alexandre O'Neill

Mal nos conhecemos
Inauguramos a palavra amigo!
Amigo é um sorriso
De boca em boca,
Um olhar bem limpo
Uma casa, mesmo modesta, que se oferece.
Um coração pronto a pulsar
Na nossa mão!
Amigo (recordam-se, vocês aí,
Escrupulosos detritos?)
Amigo é o contrário de inimigo!
Amigo é o erro corrigido,
Não o erro perseguido, explorado.
É a verdade partilhada, praticada.
Amigo é a solidão derrotada!
Amigo é uma grande tarefa,
Um trabalho sem fim,
Um espaço útil, um tempo fértil,
Amigo vai ser, é já uma grande festa!
Imagem da NET


quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Peneda-Gerês



Gerês.(Minha imagem.)

Saudades de Coimbra (Fado) - Verdes Anos-


Envie este video a quem é fã da cidade de Coimbra e da expressão cultural mais portuguesa, o Fado. A canção Saudades de Coimbra, celebrizada por Edmundo Bettencourt, interpretada pelo Grupo de Fados Verdes Anos. Aqui podem ver-se algumas imagens históricas e actuais de Coimbra onde se retratam a Universidade, a Fonte dos Amores, o Choupal, a Lapa dos Esteios, ou a Serenata Monumental.

Saudades de Coimbra (Edmundo Bettencourt)

Oh Coimbra do Mondego
E dos amores que eu lá tive
Quem te não viu anda cego
Quem te não ama não vive

Do Choupal até à Lapa
Foi Coimbra os meus amores
A sombra da minha capa
Deu no chão abriu em Flores.

Jacques Brel - Voir un ami pleurer....

UM BELISSÍMO DIA!

GILBERT BECAUD. C'EST LA ROSE L'IMPORTANT.

Imagem da net

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Amo-te Muito, Meu Amor, e Tanto

Amo-te Muito, Meu Amor, e Tanto
que, ao ter-te, amo-te mais, e mais ainda
depois de ter-te, meu amor. Não finda
com o próprio amor o amor do teu encanto.

Que encanto é o teu? Se continua enquanto
sofro a traição dos que, viscosos, prendem,
por uma paz da guerra a que se vendem,
a pura liberdade do meu canto,

um cântico da terra e do seu povo,
nesta invenção da humanidade inteira
que a cada instante há que inventar de novo,

tão quase é coisa ou sucessão que passa...
Que encanto é o teu? Deitado à tua beira,
sei que se rasga, eterno, o véu da Graça.

Jorge de Sena, in “Poesia, Vol. I 

Imagem minha