SOU EU PRÓPRIA!!!

A minha foto

..Se as flechas perfuram o corpo,

as palavras podem trespassar a alma...

(Umberto Ec

EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

domingo, 28 de abril de 2013

AVES LOUCAS....

IMAGEM DA NET

Os meus dedos são aves loucas,
Que voam no teu corpo,
Somos a pele um do outro
Saciando a nossa sede.
Entre desejos proibidos,
Pudéssemos nós não ter fronteiras
E o coração pudor,
Viveríamos sempre unidos,
Duas vidas, numa só.
Já não existem palavras,
Entre os gestos sensuais que cobrem os corpos
Acedendo as fogueiras das rosas
No sabor dos beijos.
A tua boca aperta-se
Para que os minutos não acordem,
O abraço acende o momento
Nas pétalas que chovem na cama.
Oh meu amor, ama-me sem tempo,
Como se fosse a última vez,
E nada existisse depois…
Levando a minha voz em asas de silêncio,
Neste amor em chamas ardente.

In Livro "Rosas & Espinhos" de Luis FerreiraPOEMA

sábado, 20 de abril de 2013

LADO A LADO.

                                       


Luiza Caetano - Pintora e Escritora
Eras o ombro de meus braços


em movimentos fascinantes


corpo a corpo

ou
um barco iluminado
um farol!
uma âncora 
ou 
uma estrela faiscante

nos meus passos disfarçados
de cansaços, o caminho
se enrolava nos abraços
disfarçadamente hesitantes.

Caminhávamos ao longo da ponte
tuas mãos nas minhas, ternamente

as palavras mordidas nos silêncios
que os pássaros ensurdeciam.

Lado a lado
do lado da sombra...

como a sombra
projectada dos amantes



luizacaetano



quinta-feira, 18 de abril de 2013

JÁ NÃO PRECISO DE CANETA E PAPEL!!!


                                                          



Já não preciso  de caneta e papel,
Apenas de um teclado e uma tela! 
Assim nos conhecemos e nos une uma amizade.
Não è pela beleza, e muito menos pelo tom da voz!
São as  palavras, e o carinho que chegam com a Uma força verdadeira.
Sinto-me sozinha, longe de todos aqueles que deram um colorido á  vida.
Lembrei-me  de "TI " e da forma  como adicionamos as palavras trocadas no teclado....
O tempo passa e as afinidades agrupam-se  na  vida um e do outro.
Os desabafos e os primeiros conselhos verdadeiros da  nossa amizade virtual.
Nunca nos importamos com a distância, nem com o facto de não sabermos realmente como o outro é!!
Curioso ,
TU "n" vezes  me dás a conhecer, mais de mim, que as próprias que convivem comigo.
Hoje, quase todos os meus amigos se tornaram virtuais, pois mesmo aqueles que sempre estiveram comigo, estão longe e a distância não é nenhuma destruidora de sentimentos, mas sim, uma fiel aliada para mostrarmos se o que sentimos foi  realmente verdadeiro.
Muitas vezes vi-me  relendo históricos e muitos deles os guardei para jamais esquecer os bons momentos que vivi e me fizeram chorar de saudade .
Por fim, quero dizer-te  que é um prazer ter-te como um  BOM AMIGO mesmo sendo virtual:
Obrigada por cada e-mail enviado, 
Obrigada pela TUA AMIZADE mesmo sendo tão longe assim!!!.



Betinha Correia

sábado, 13 de abril de 2013

SE TE COMPARO A UM DIA DE VERÃO!!!


(SONETO 18)

Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.


William Shakespeare

terça-feira, 9 de abril de 2013

PENÉPOLE...



Mais do que um sonho: comoção!
sinto-me tonto, enternecido,
quando, de noite, as minhas mãos
são o teu único vestido.

e recompões com essa veste,
que eu, sem saber, tinha tecido,
todo o pudor que desfizeste
como uma teia sem sentido;
todo o pudor que desfizeste
a meu pedido.

mas nesse manto que desfias,
e que depois voltas a pôr,
eu reconheço os melhores dias
do nosso amor.


PENÉPOLE
David Mourão-Ferreira





sábado, 6 de abril de 2013

"O AMOR "

"Amor quando é amor não definha
E até o final das eras há de aumentar.
Mas se o que eu digo for erro
E o meu engano for provado
Então eu nunca terei escrito
Ou nunca ninguém terá amado."
William Shakespeare