EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

segunda-feira, 30 de maio de 2016




Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amor amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."
Fernando Pessoa
 

sábado, 28 de maio de 2016

O DESPERTAR DOS MÁGICOS.....



" O Despertar dos Mágicos".

Quisera
te descrever
num verso
Âncora deslumbrada!
Esperança!
Oração!
Talvez perversa...
Talvez emocionada...
Pintar-te
Um quadro pleno de vida
Uma cruz ensanguentada
de Pôr do Sol
e
Alvorada
Um Altar!
Uma emoção!
Um pingo vermelho
de paixão!
Um Mar! Um barco!
Um cisco-Cio-saudade
Uma âncora deslumbrada
Quisera, Sim
meu Amor
ao vivo,madrugada!

Luiza Caetano.

sábado, 21 de maio de 2016

O MEU BALÃO.!!!!







Iniciei uma viagem:

Saí de lá,da minha terra

que fica a "abraçar" a Serra,

Sobrevoei rumo a um País Tropical.

Parei:

Era lindo,muito lindo!

Continuei navegando pelo rio

e preparei a partida

recordando uma dolorosa despedida.

Voltei para uma outra terra

que fica a "beijar" a Serra.

Gestos diferentes,sentimentos iguais!

Parei:

Era Feliz,muito feliz!

Continuei pelo rio... e ...e...

venho ao meu Porto de abrigo.

Berço da minha ascendência e descendência.

Sei que vivo e luto com a minha consciência.

Abri os olhos e o meu balão

não foi mais que uma remota ilusão!

(EU)

quarta-feira, 18 de maio de 2016

O CEGO E A GUITARRA.....




"O cego e a guitarra" de Fernando Pessoa
O ruído vário da rua
Passa alto por mim que sigo.
Vejo: cada coisa é sua
Oiço: cada som é consigo.

Sou como a praia a que invade
Um mar que torna a descer.
Ah, nisto tudo a verdade
É só eu ter que morrer.

Depois de eu cessar, o ruído.
Não, não ajusto nada
Ao meu conceito perdido
Como uma flor na estrada.

Cheguei à janela
Porque ouvi cantar.
É um cego e a guitarra
Que estão a chorar.

Ambos fazem pena,
São uma coisa só
Que anda pelo mundo
A fazer ter dó.

Eu também sou um cego
Cantando na estrada,
A estrada é maior
E não peço nada.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

VAMPIROS



No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas pela noite calada
Vêm em bandos com pés veludo
Chupar o sangue fresco da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada [Bis]

A toda a parte chegam os vampiros
Poisam nos prédios poisam nas calçadas
Trazem no ventre despojos antigos
Mas nada os prende às vidas acabadas

São os mordomos do universo todo
Senhores à força mandadores sem lei
Enchem as tulhas bebem vinho novo
Dançam a ronda no pinhal do rei

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

No chão do medo tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos na noite abafada
Jazem nos fossos vítimas dum credo
E não se esgota o sangue da manada

Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhe franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada
JOSE AFONSO “Vampiros”


DO MEU AMIGO.
CASANOVA

terça-feira, 10 de maio de 2016

SOMOS FILHOS DA MADRUGADA!!!!


Mikhail Bakhtin



Somos filhos da madrugada
Pelas praias do mar nós vamos
À procura de quem nos traga
Verde oliva de flor nos ramos
Navegamos de vaga em vaga
Não soubemos de dor nem mágoa
Pelas praia do mar nós vamos
À procura da manhã clara

Lá de cima de uma montanha
Acendemos uma fogueira
Para não se apagar a chama
Que dá vida na noite inteira
Mensageira pomba chamada
Companheira da madrugada
Quando a noite vier que venha
Cá de cima de uma montanha