SOU EU PRÓPRIA!!!

A minha foto

..Se as flechas perfuram o corpo,

as palavras podem trespassar a alma...

(Umberto Ec

EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

sábado, 6 de outubro de 2012

SONETO DE AMOR...



Soneto de amor 
 Não me peças palavras, nem baladas,
Nem expressões, nem alma... 

Abre-me o seio,
Deixa cair as pálpebras pesadas,
E entre os seios me apertes sem receio.

Na tua boca sob a minha, ao meio,
Nossas línguas se busquem, desvairadas...
E que os meus flancos nus vibrem no enleio
Das tuas pernas ágeis e delgadas.

E em duas bocas uma língua..., — unidos,
Nós trocaremos beijos e gemidos,
Sentindo o nosso sangue misturar-se.

Depois... — abre os teus olhos, minha amada!
Enterra-os bem nos meus; não digas nada...
Deixa a Vida exprimir-se sem disfarce!

José Régio, in “Antologia Pessoal da Poesia Portuguesa, Eugénio de Andrade”

2 comentários:

  1. Grande soneto de amor do José Régio.
    Obrigado pela partilha.
    Betinha, querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Nilson.
    Muito obrigada pela tua visita.
    Continuação de boa semana tbm para ti.
    Beijo.

    ResponderEliminar