SOU EU PRÓPRIA!!!

A minha foto

..Se as flechas perfuram o corpo,

as palavras podem trespassar a alma...

(Umberto Ec

EU DIGO:

SERÃO SEMPRE BEM-VINDOS AO MEU ESPAÇO.
MUITO OBRIGADA PELA VOSSA VISITA

.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

HOJE IREI Á RUA!!!

Fotografia de Jorge Mota

Hoje irei à rua. Sem partido político. Sem defender “passe livre” por não considerá-lo legítimo.

Vou à rua e estacionarei meu carro em algum lugar que tenha vaga e esta vaga esteja determinada para tal fim.

Vou à rua porque minha “cara anda pálida” demais, vendo os rostos de tantas caras que não têm mais sangue para “empalidecer”.

Vou à rua porque cansei de passar pelas ruas da capital vendo desabrigados dormindo ao relento – invisível aos olhos do governo.

Vou à rua porque cansei de passar por esquinas vendo o assustador consumo de drogas – invisível aos olhos do governo.

Vou à rua porque não acredito mais que alguém possa me representar ganhando 26 mil por mês usufruindo de benefícios que são, ambos, distantes de mim.

Vou à rua porque aqueles que deveriam me representar estão ocupados demais em negociatas, falcatruas, e apropriações indébitas – preciso afirmar, com muita ênfase, que não me representam.

Vou à rua porque a minha ajudante se envergonha nas vezes que chega a minha casa tendo que me dizer que o A.Carro não passou no horário que deveria passar. E o próximo é sempre sem horário.

Vou à rua porque o jardineiro que cuida das árvores com muito cuidado, por saber que os frutos serão distribuídos sem nenhum desperdício, se recusa a receber os benefícios com que o Governo manipula a extinção da pobreza. Ele diz que é pobre, muito pobre porque trabalha de domingo a domingo e não tem direito à saúde, escola decente para seus filhos, nem condições de aperfeiçoamento para almejar uma vida mais digna.

Vou à rua porque tenho tempo – o desemprego me favoreceu neste aspecto – para manifestar minha indignação frente a uma série de situações que fizeram de mim uma “cara pálida”, sem orgulho das transformações e  que estão destruindo a minha dignidade e me envergonhando dos possíveis questionamentos que meus netos um dia poderão me direcçionar pela inércia em não ter me posicionado frente posições e decisões que discordo.

Vou à rua sozinha. Não estou filiada  em nenhum Movimento. Vou à rua pedir por um país que talvez só exista no meu imaginário, mas entendo que para não condená-lo à imaginação, tenho, no mínimo, que apontar o que está acontecendo na direcção contrária dos meus anseios pátrios.

Entendo que eu possa convidar meus amigos. Entendo que meus amigos tenham direito pleno de recusar o meu convite.



Fernando Moreno

2 comentários:

  1. Um lindo momento querida amiga Betinha ,muitas felicidades ,beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Foi a forma de expressão que sublinhei de um amigo meu
    O mundo está a ficar um inferno.beijinhos

    ResponderEliminar